Pular para o conteúdo principal

Acompanhamento da bariátrica

Ontem eu finalmente retornei ao gastro. Já estava com quase 2 anos desde a minha última consulta. Fui preparada para as broncas, todas merecidas.
Depois dele conversar com a minha irmã mais nova, que decidiu seguir pelo mesmo caminho e fazer redução de estômago também, foi a minha vez. Levei puxão de orelha por nunca mais ter aparecido lá, e por ter chegado ao mínimo de 61kg e ontem estar com 74,5kg. Eu merecia ficar sem as duas orelhas.
Ao conversar sobre as causas, eu disse que há 1 ano e meio ando com picos de ansiedade, desde o meu TCC, e que acabo descontando tudo nos doces, além de estar sedentária. Ele me perguntou se estou fazendo acompanhamento psicológico e eu disse que comecei a fazer no ano passado, não gostei muito da psicóloga (achei que a evolução estava devagar demais), deixei e nunca procurei outro profissional. A conversa foi desenrolando, ele me fez mais algumas perguntas e chegou à conclusão que não é uma simples ansiedade. Que eu estou com depressão, e me pediu pra procurar um psiquiatra.
Ele me passou a requisição da bateria de exames e me pediu comprometimento sobre algumas coisas:

1) Procurar um psiquiatra pra tratar a depressão, que é um sabotador imenso para a minha saúde, a minha alimentação e a prática de atividades físicas, já que tenho preferido ficar na cama o dia todo a fazer qualquer outra coisa;

2) Dormir e acordar cedo;

3) Parar de beliscar o dia todo;

4) Cortar essa quantidade enorme de açúcares que tenho comido por ansiedade;

5) Fazer atividades físicas;

6) Participar das reuniões mensais de pacientes bariátricos dele.

Já estou pesquisando psiquiatras bons aqui em Teresina e levando em consideração quanto cobram por sessão, já que eu não tenho mais plano de saúde para consultas e pago tudo integralmente. Enquanto isso, para o resto estou me esforçando pra seguir.
Ele também propôs que fizéssemos consultas mensais, para que eu trabalhasse com metas curtas e me estimulasse mais a continuar na linha. Nesse ponto, os encontros podem ser muito úteis, já que lidarei com pessoas que passaram ou passarão pelo mesmo que eu e, segundo o médico, cria uma competição positiva pra eliminar os quilos que faltam e praticar atividades físicas regularmente.

Embora ontem tenha sido apenas o primeiro passo, senti um grande alívio. Dizem que o primeiro passo para resolver um problema é admitir que você tem um problema. E depois procurar ajuda. Ambos já foram feitos, e tenho pessoas adoráveis me apoiando para que eu não desista no meio do caminho.
Espero poder voltar daqui a um tempo me sentindo muito melhor, mais saudável e confiante, e trazer notícias muito boas.

Beijos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirsutismo e acompanhamento.

De novembro pra cá tenho feito as sessões de laser em outra clínica (a ponteira da anterior quebrou e dois meses depois ainda não tinha voltado). O laser é o mesmo (Soprano), mas a aplicação é diferente: por varredura. E isso fez uma diferença incrível para suportar o incômodo. Hoje foi a minha quarta sessão nessa nova clínica, e me explicaram que as aplicações foram iniciadas com a varredura em uma área maior e intensidade 9, e foi intensificando aos poucos. Hoje foi feita na metade da área anterior e com intensidade de 12 joules. Foi bem mais incômodo, mas nada comparado a quando eu fazia com o Light Sheer, do qual eu saía literalmente com lágrimas nos olhos.
Com o Light a diferença veio mais rápido, é verdade, mas eu tenho preferido algo mais gradativo porém que eu consiga aguentar, pra não acabar desistindo. Apesar disso, a depilação já passou de 2 vezes ao dia para apenas 1, e os pelos estão bem mais falhos.
Mesmo sendo uma facada no ego, decidi fotografar meu rosto essa manhã com…

Hirsutismo.

Um dos motivos que mais pesaram para que eu voltasse a escrever é meu hirsutismo. Que bicho é esse?

"Define-se o hirsutismo (também chamado de frazonismo) como a presença de pelos terminais na mulher, em regiões anatômicas consideradas características do sexo masculino. (...) Esta condição resulta da ação de hormônios andrógenos circulantes na corrente sanguínea, levando a estimulação da unidade folículo-sebácea fazendo com que os pelos cresçam pigmentados, bem como aumento da produção de ácidos graxos saturados (sebo) e aumento do conteúdo de colágeno da pele, facilitando a proliferação de microorganismos cutâneos." Tem mais aqui.

Resumindo a missa: eu tenho pelos pelo corpo (desculpa, não consegui pensar numa forma melhor de escrever) como se fosse um homem. Sem exageros, ouso dizer que tenho mais barba que meu namorado (sim, estou namorando há quase 10 meses, mas este é outro assunto). Agora imaginem vocês o estupro no ego que é para uma mulher ter que se barbear todos os d…

Controle hormonal, laser e controle dos pelos

Oi, gente! Tudo bem?
Recebi algumas perguntas sobre os tratamentos que já fiz numa publicação de 2014 e decidi fazer um vídeo sobre as minhas experiências e impressões sobre cada tipo que já fiz.



Espero ter esclarecido algumas dúvidas.  Se vocês tiverem perguntas, comentem aqui embaixo ou lá no canal que em breve eu responderei. Sugiram, perguntem, critiquem - mas com carinho, tá?
Beijos!