Pular para o conteúdo principal

Sobre futuro profissional e presentes

Durante boa parte da vida eu fui uma pessoa extremamente tímida. E numa ironia do destino, a profissão que me encantou pede desenvoltura para falar em público, além de domínio de conteúdo e carisma. Mesmo com salários baixíssimos, precárias condições de trabalho - pelo menos na maioria das instituições públicas - e muita gente me dizendo que existem cursos melhores, ser professora ainda me pareceu ser mais encantador. Tentei o Jornalismo, em pública, em particular, não deu certo. Demorou um pouco mas eu finalmente fui para aquilo que eu gostava.

Agora, cursando o 4º período de História e pagando a disciplina de Didática, me agarro a cada palavra pronunciada pela professora. Acho que todo mundo durante seu curso chega a um momento de impasse, de dúvida, pensando se mesmo gostando tanto daquilo será capaz de dar conta do recado. É bem assim que eu tenho me sentido nos dois últimos semestres. No próximo começarei o estágio obrigatório, e em toda a minha timidez me pergunto se conseguirei ser interessante o suficiente para prender a atenção de muitos alunos, de várias turmas. O medo de fracassar me gela a espinha.

Meus pais, ao contrário de mim, são bem articulados. Meu pai vive dando palestras, desde que eu me entendo por gente lembro dele fazer isso. Minha mãe foi professora por uns anos e sempre se mostrava tranquila com os seminários que tinha para apresentar na faculdade, nem o TCC parecia problema para ela. Então resolvi conversar com quem entende do negócio. Meu pai, que já havia me dado o livro Nunca Desista de Seus Sonhos - Augusto Cury -, durante as férias, me disse que também fica nervoso, mas que é preciso autoconfiança e a utilização de material audiovisual pode ajudar bastante. Também ficou de me passar alguns vídeos curtos que ele tem e que podem dar ênfase a alguns assuntos que eu tratarei em sala de aula.
Minha mãe diz que ela é "pra frente", e não sentia muita dificuldade em sua época de professora de Ensino Fundamental. Me passou uns bizus e também me deu um livro: Medo e Ousadia: o cotidiano do professor, de Paulo Freire e Ira Shor.
É bom conversar com quem entende do assunto, meu nível de nervosismo caiu bastante depois disso, ouvi muitas dicas interessantes - não dá pra colocar tudo aqui porque o post já está demasiado longo. Acho que essa foi a conversa filha-pai/mãe mais produtiva que eu já tive.

Últimos presentinhos:


Livro Nunca Desista de Seus Sonhos - Augusto Cury
Livro Medo e Ousadia: o cotidiano do professor - Paulo Freire e Ira Sher
Batom NYX- cor 509 Narcissus

Beijos!

Comentários

  1. Oi Filha!!! Estou muito Feliz por Você!!! Um belo Futuro te espera.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Atenção!

1. Seu comentário só será publicado mediante aprovação;
2. Mensagens de spam não serão aceitas;
3. Coloque o link do seu blog (caso tenha) no local adequado (use OpenID);
4. Mensagens ofensivas não serão aceitas;
5. Os comentários dos leitores não expressam a opinião da autora.

Obrigada pela visita!

Postagens mais visitadas deste blog

Hirsutismo e acompanhamento.

De novembro pra cá tenho feito as sessões de laser em outra clínica (a ponteira da anterior quebrou e dois meses depois ainda não tinha voltado). O laser é o mesmo (Soprano), mas a aplicação é diferente: por varredura. E isso fez uma diferença incrível para suportar o incômodo. Hoje foi a minha quarta sessão nessa nova clínica, e me explicaram que as aplicações foram iniciadas com a varredura em uma área maior e intensidade 9, e foi intensificando aos poucos. Hoje foi feita na metade da área anterior e com intensidade de 12 joules. Foi bem mais incômodo, mas nada comparado a quando eu fazia com o Light Sheer, do qual eu saía literalmente com lágrimas nos olhos.
Com o Light a diferença veio mais rápido, é verdade, mas eu tenho preferido algo mais gradativo porém que eu consiga aguentar, pra não acabar desistindo. Apesar disso, a depilação já passou de 2 vezes ao dia para apenas 1, e os pelos estão bem mais falhos.
Mesmo sendo uma facada no ego, decidi fotografar meu rosto essa manhã com…

Hirsutismo.

Um dos motivos que mais pesaram para que eu voltasse a escrever é meu hirsutismo. Que bicho é esse?

"Define-se o hirsutismo (também chamado de frazonismo) como a presença de pelos terminais na mulher, em regiões anatômicas consideradas características do sexo masculino. (...) Esta condição resulta da ação de hormônios andrógenos circulantes na corrente sanguínea, levando a estimulação da unidade folículo-sebácea fazendo com que os pelos cresçam pigmentados, bem como aumento da produção de ácidos graxos saturados (sebo) e aumento do conteúdo de colágeno da pele, facilitando a proliferação de microorganismos cutâneos." Tem mais aqui.

Resumindo a missa: eu tenho pelos pelo corpo (desculpa, não consegui pensar numa forma melhor de escrever) como se fosse um homem. Sem exageros, ouso dizer que tenho mais barba que meu namorado (sim, estou namorando há quase 10 meses, mas este é outro assunto). Agora imaginem vocês o estupro no ego que é para uma mulher ter que se barbear todos os d…

Controle hormonal, laser e controle dos pelos

Oi, gente! Tudo bem?
Recebi algumas perguntas sobre os tratamentos que já fiz numa publicação de 2014 e decidi fazer um vídeo sobre as minhas experiências e impressões sobre cada tipo que já fiz.



Espero ter esclarecido algumas dúvidas.  Se vocês tiverem perguntas, comentem aqui embaixo ou lá no canal que em breve eu responderei. Sugiram, perguntem, critiquem - mas com carinho, tá?
Beijos!